Dinamarca é um desses países que eu nunca ouvi ninguém falando mal. Copenhagem só recebe elogios de todos que a visitam e isso sempre me intrigou – afinal, como pode um lugar agradar a todos? Resolvi explorar a capital dinamarquesa com meus próprios pés e sem procurar muitas opiniões antes para ter minhas próprias impressões e tirar minhas conclusões. Assim, compartilho com vocês o que fazer em Copenhagem num roteiro de dois dias.

Dois dias foram o suficiente pra Copenhagen roubar meu coração de vez e começar a ser uma das minhas cidades preferidas.

Procurando acomodação em Copenhagem? Confira os melhores preços aqui.

1º Dia

A melhor coisa que eu fiz nesse primeiro dia de viagem foi comprar o Copenhagen Card, (SÉRIO, COMPREM) com ele você tem acesso a inúmeras atrações, transporte público gratuito & desconto em restaurantes selecionados. Há a opção de 24, 48, 72 & 120h, eu escolhi a de 24h mesmo passando 48h na cidade – continue lendo e você entenderá o porquê – que custa 399 kr (cerca de EUR 54).

 

Você compra o cartão no aeroporto mesmo, na cabine de Informações. É fácil e rápido, pode ser comprado no cartão ou com coroas dinamarquesas (há uma casa de câmbio ao lado do balcão de informações).

Com o cartão em mãos, é hora de ir para a cidade! O aeroporto fica super perto do centro de Copenhagen e em 15 minutos de trem/metro você já chega.

1ª Parada: Castelo Rosenborg

Um castelo real situado no Jardim do Rei, no coração de Copenhagen, o Castelo Rosenborg apresenta 400 anos de esplendor, tesouros de arte real e as Jóias da Coroa.

O Castelo de Rosenborg foi construído por um dos mais famosos reis escandinavos, Christian IV, no início do século XVII. Entre as principais atrações está o Salão dos Cavaleiros, com os tronos de coroação e três leões prateados em tamanho natural em pé de guarda. Tapeçarias nas paredes comemoram as batalhas entre a Dinamarca e a Suécia.

São 5 andares para visitação (2 acima, terréo e 2 abaixo onde você encontra os tesouros da coroa). Os interiores são bem preservados e convidam você a fazer uma viagem no tempo. Lá você encontra a escrivaninha privada do rei, seu banheiro e vê figuras de cera de antigos habitantes reais.

É uma visita cheia de detalhes e muito interessante, há panfletos em diversas línguas (inclusive português!) o que ajuda bastante na hora de entender por onde você está andando.

Preço sem o cartão: 100 kr

Preço com o cartão: 0 kr

2ª Parada: Museu do Design

 Saindo do Rosenborg, há diversas opções de museus e andando 10 minutos você chega no Museu do Design. Aqui deixo aberto para outros museus, apesar de eu recomendar fortemente o Museu do Design por toda a cultura & história ligadas ao assunto que a Escandinavia possui.

O museu é completo e explicativo em diversos aspectos com ícones do design industrial, da moda, gráfico com suas pegadas em sustentabilidade e usabilidade. Há uma área dedicada ao Arne Jacobsen (mundialmente famoso arquiteto & designer dinamarquês) & “creme de la creme” que mostra uma coleção com 7 salas de exposições de objetos importantes de outros países.

Foto: três criações de Jacobsen, sendo a do meio a mais famosa delas chamada “cadeira ovo”

Preço sem o cartão: 115 kr

Preço com o cartão: 0 kr

3ª Parada: Almoço

Você pode optar por almoçar dentro do Museu onde há um restaurante muito bom ou ao lado no Café Oscar.A comida “típica” dinamarquesa é chamada Smørrebrød que nada mais é que um sanduíche sem o pão de cima (sanduíche “aberto”). A minha pedida foi um com batata, tomate & cebola e uma batata frita para dividir – a melhor batata frita que eu já comi, é INCRÍVEL!

Dica: na Dinamarca é comum os restaurantes & cafés oferecerem água filtrada (da torneira) de graça, é só pedir.

4ª Parada: Amalienborg

Você sabia que a família real dinamarquesa é a mais antiga do mundo? Por esse motivo, se a rainha da Inglaterra visitar a rainha da Dinamarca, ela deve prestar as devidas reverências.

Rodeando a praça do palácio com a estátua do rei Frederico V de 1771, Amalienborg é composta por quatro edifícios idênticos. Estes são o Palácio de Christian VII (usado como residência de hóspedes), Palácio de Frederik VIII (casa da família do Príncipe Herdeiro), Palácio de Christian IX (casa da Rainha) e o Palácio de Christian VIII (onde fica o Museu de Amalienborg).

O Museu de Amalienborg apresenta os interiores privados dos mais recentes reis e rainhas e uma exposição sobre a monarquia hoje com suas muitas tradições. O escopo do museu remonta 150 anos para Christian IX e Queen Louise, que eram conhecidos como “os sogros da Europa”, porque quatro dos seus filhos ascenderam aos tronos da Inglaterra, Grécia, Rússia e Dinamarca, respectivamente.

O museu não é muito grande porém é bem interessante por apresentar aposentos e informações sobre a família real moderna.

No final da praça, você avista a Catedral de Mármore que é lindíssima (e com entrada de graça – então a dica é deixar para entrar no segundo dia para não desperdiçar horas do cartão comprado pela manhã)

Preço sem cartão: 75 kr

Preço com cartão: 0 kr

5ª Parada: Museu Nacional

Aqui, eu fui ao Museu do Guiness Book porém eu não recomendo, achei meio tolo e sem graça. Uma recomendação que eu recebi no segundo dia e infelizmente não tive tempo de ir é o Museu Nacional.

Preço sem cartão: 75 kr

Preço com cartão: 0 kr

6ª Parada: Visit Carlsberg

A cervejaria dinamarquesa mais famosa do mundo abre suas portas para um “self-guided” tour. É bem fácil de chegar partindo da estação central da cidade, apenas uma estação (5 minutos) de distância.

 Lá você encontra 7 aposentos diferentes contando a história e o processo de fabricação da cerveja. No final, você encontra uma loja e o bar, onde tem direito a uma cerveja (que está inclusa no ingresso).

Atenção: você tem que chegar na carvejaria até as 17h pois é quando eles param de entregar tickets (fecha às 18h).

Preço sem cartão: 100 kr

Preço com cartão: 0 kr

7ª Parada: Canal Tours Copenhagen

Uma visita guiada ao redor do porto e através dos canais idílicos, onde um guia irá falar sobre as belas igrejas de Copenhagen, castelos, casas antigas, novos edifícios e todos os outros locais de interesse.

 O clássico e original passeio sai de Gammel Strand (Ved Stranden) e passa por alguns dos melhores pontos turísticos e atrações de Copenhagen. O passeio conta com um guia ao vivo em dinamarquês e inglês – algumas partidas têm uma terceira língua que varia entre alemão, italiano, francês, português ou espanhol. Você encontrará mais informações sobre idiomas na bilheteria. No que eu fui a terceira língua era alemão.

Você passará por alguns dos melhores pontos turísticos de Copenhagen: a ópera, Palácio de Amalienborg, a antiga bolsa de valores, Christianshavn, Igreja dos nossos salvadores, The Sixtus Battery, The Black Diamond, “BLOX”, a Pequena Sereia (famosa escultura dinamarquesa que sinceramente, não vale a viagem, ve-la do barco é suficientemente bom) e muito, muito mais.

Atenção: o Copenhagen Card cobre somente a excursão com partida da Strand Gammel (Ved Stranden).

Preço sem cartão: 85 kr

Preço com cartão: 0 kr

8ª Parada: Jardins Tivoli

O parque de diversões Tivoli Gardens, em Copenhagen, é uma obrigação para todos os visitantes da cidade, jovens e idosos. Tivoli está localizado ao lado da Estação Central da cidade.

O Tivoli Gardens foi fundado em 1843, sendo assim o segundo parque de diversões mais antigo do mundo, e tornou-se um tesouro nacional e uma atração internacional. O escritor de contos de fadas Hans Christian Andersen visitou muitas vezes, assim como Walt Disney e muitas outras celebridades, que se apaixonaram pelos jardins.

Parte do segredo do Tivoli Gardens é que há algo para todos. O cenário é lindo, com arquitetura exótica, edifícios históricos e jardins exuberantes. À noite, milhares de luzes coloridas criam uma atmosfera de conto de fadas completamente única.

É uma atração perfeita para se fazer à noite, já fica aberto até as 23h e ele é TODO iluminado, lindíssimo!

Preço sem cartão: 110 kr

Preço com cartão: 0 kr

Você pode escolher jantar no Tivoli (o que eu fiz) ou sair de lá para um dos diversos restaurantes da cidade. Após esse longo dia, eu voltei para o hotel para descansar e me preparar para o dia seguinte – que envolve muita caminhada! Fica a seu critério como terminar a noite por Copenhagen.

O Copenhagen Card valeu a pena? Vamos descobrir isso juntos:

Atrações sem cartão: 740 kr (incluindo o passe diario de transporte publico 80 kr)

Preço do cartão: 399 kr

Ou seja, vale a pena SIM pois em um dia você economizou praticamente a metade do que teria gasto se não comprasse o cartão. Como eu disse, foi a melhor escolha que eu fiz para esse primeiro dia de passeio!

2º Dia

Lembre-se que o Copenhagen Card vale por 24 horas corridas, então se você comprou às 10h de um dia, pode usar até as 10h do dia seguinte. Caso você precise pegar algum transporte para chegar na estação central, é bom planejar-se e aproveitar as últimas horas do cartão pela manhã.

Bom, se você já leu outros posts que eu escrevi aqui no blog, sabe que sempre que possível & disponível eu faço o Free Walking Tour nas cidades que eu vou e em Copenhagen não poderia ser diferente. Há três tipos de Free Walking Tour na cidade que ocorrem todos os dias:

– Grand Tour of Copenhagen que sai às 10h & 11h e dura 3h;

– Classical Tour que sai às 13:30h e dura 90min;

– Christianshavn Tour que sai às 16h e dura 90min.

Como funciona?

O Free Walking Tour é de graça e sempre feito por guias independentes que não recebem salário de ninguém – sua fonte de renda como guia são as gorjetas que os turistas dão ao final de cada passeio. É por isso que os tours geralmente são tão descontraídos e legais, cada guia se esforça ao máximo para dar a maior quantidade de informações e divertir os grupos para que no fim seja bem recompensado.

Vale a pena lembrar que os tours são feitos em dois idiomas diferentes: Ingles & Espanhol, então mesmo que você não saiba inglês, há o tour em espanhol para quebrar o galho.

1º Parada: Grand Tour of Copenhagen

Copenhagen tem uma rica história como uma cidade importante à beira do Báltico. Cresceu de uma pequena vila de pescadores para a capital da Dinamarca e sobreviveu a incêndios, pragas, invasões e praticamente tudo que existe entre eles. Hoje em dia Copenhagen é conhecida como uma capital da cultura, um centro de design e experimentação, um lugar para foodies e uma terra de contos de fadas.

O ponto de partida é nas escadarias da prefeitura da cidade – pertinho da estação central e do Tivoli. Não esqueça de fazer a reserva online e chegar 15 minutos antes do tour começar.

Destaques do Grand Tour incluem:

A prefeitura

Palácio de Christiansborg

O antigo centro da cidade

Porto nyhavn

O palácio real de Amalienborg

Eu fiz o tour das 10h e cheguei ao palácio de Amalienborg bem na hora da troca da famosa troca de guardas, já quase no final do passeio. É uma besteirinha, mas vale a pena ver uma vez.

2ª Parada: Igreja de Mármore

Lembra que eu comentei no início do post sobre a Igreja de Mármore? Pois agora é a hora de visitá-la! Depois de terminar o Grand Tour na praça de Frederico V, caminhe em direção à igreja para conhecê-la por dentro. É linda! Ela é chamada Igreja de Mármore pois o material é encontrado em toda a parte de fora da Igreja, dentro são utilizados outros materiais pelo alto preço do mármore.

3ª Parada: Almoço & Stroget

Agora você pode relaxar um pouco na hora do almoço e voltar para conhecer alguns dos pontos que tenha achado mais interessante do passeio anterior. Ou, se acha que já conheceu tudo o suficiente andando pela cidade, é hora de ir em uma das ruas de pedestres mais antigas do mundo: Stroget!

Há de tudo ali: restaurantes, lojas e mais lojas, cafés… e assim vai! Como qualquer calçadão, há muita gente e diversos artistas performando. É bem gostosa. A dica é encontrar um restaurante e ficar por ali mesmo até a hora de começar a próxima parada.

4º Parada: Christianshavn Tour

O segundo tour do dia começa às 16h, dura 90 minutos e é diferente de tudo que tem no resto da cidade. Nele você vai para a ilha artificial de Christiania que foi feita há 400 anos pelo rei para servir de defesa contra a Suécia. Para o rei conseguir que a ilha se tornasse habitavel ele ofereceu aos moradores 12 anos sem precisar pagar impostos. Não é preciso falar que a ilha encheu de gente rapidinho, em sua maior parte de Holandeses de onde o rei tirou sua inspiração para os canais de Christiania.

A parte mais interessante do passeio e da ilha em si, é a “Free Town of Christiania”. Eles são uma comunidade independente formada por 850 pessoas que não responde ao governo dinamarquês – tirando educação e saúde (não há escolas oficiais nem hospitais dentro de Christiania), não paga impostos e pode vender/consumir maconha dentro da sua área.

Para ser um Christianita, você ou nasce ali dentro ou é convidado por um dos membros e, para entrar, é necessário ser aceito por todos os membros da comunidade. É uma democracia direta – se uma pessoa não aceita (com motivos), nada é feito.

O tour termina na porta da cidade e o guia dá instruções de onde ir lá dentro, é bem turístico com diversas tendas, lojinhas e bares. É bem diferente de Copenhagen, vale a pena a visita. Fiquem atentos à duas coisas: nos locais onde vendem maconha, não é possível tirar fotos & não pode correr dentro da cidade toda; se um corre, todos correm.

5ª Parada

Se você ainda tem tempo, pode visitar outras atrações da cidade como o Diamante Negro ou a Torre Redonda. Eu tive que sair direto para o Aeroporto.

Espero que tenha ajudado a organizar um pouco a sua viagem para Copenhagen! São dois dias intensos que no final se parecem com uns 4, vale muito a pena!