O Deserto do Atacama fica perto de San Pedro de Atacama, cidade base para todos os aventureiros que estão explorando o mais alto e árido deserto do mundo. A cidade em si tem pouco mais de 3 000 habitantes e está a 2.400 metros de altitude. Apesar de ser pequena e isolada, tudo gira em torno do turismo, e a cidade acaba possuindo uma vida agitada, mesmo depois da meia noite, com bares e restaurantes lotados e pessoas de todo o mundo conversando e planejando o dia seguinte.

Você pode ler mais sobre o que fazer por lá clicando aqui!

 Pôr do sol – Vale de la Luna, Atacama

Então, se você está planejando conhecer esse destino incrível que é o Atacama, fique ligado nas dicas a seguir:

1. Compre sua passagem para Calama no Chile

Como chegar no deserto do Atacama? O jeito mais fácil é voar até Santiago e de lá pegar um voo para Calama, no Norte do país – a duração da viagem é de 2h. De Calama, há diversos ônibus indo e voltando para San Pedro de Atacama diariamente – mas claro, já vá com seu ticket comprado – e o trajeto dura em torno de 1h e meia.

Atenção: Fique atento de onde seu ônibus irá sair para não perder o horário. Eu, por exemplo, tive que ir do aeroporto até a rodoviária pra embarcar.

Se possível, compre a sua passagem Santiago -> Calama no Chile! Faz muita diferença! Eu estava no Chile e meu namorado no Brasil quando decidimos que iríamos viajar pra lá, e a diferença de preços chegou a ser de 50% mais cara quando a pesquisa era feita no Brasil – mesmo usando o modo anônimo.

Outra opção é sair de Santiago de ônibus/carro, mas eu recomendaria somente se você estiver com muito tempo e vontade disponíveis pois a jornada é de mais de 20 horas! O ponto positivo do carro é poder conhecer um pouco do país conforme for parando para descansar/pernoitar.

2. Adapte o seu guarda-roupa

Não, essa não é uma dica para meninas de como se vestir no deserto, é uma dica para todos de como se vestir no deserto! A temperatura do Atacama não é brincadeira e varia de 0 °C a 40°C, independente da época em que você decida ir. Mas com uma coisa você não precisa se preocupar: lá já foi registrado o menor índice pluviométrico do planeta, então pelo menos você está a salvo da chuva!

O que levar na mala? Eu aconselho levar um bom casaco de frio, luvas, gorro, cachecol, pois há passeios que acontecem antes do sol nascer ou duram até a madrugada. E roupas em camadas para ir retirando conforme o dia for passando – mesmo no inverno, durante a tarde é super quente. Por isso, não esqueça protetor solar e óculos de sol!

3. Líquidos, líquidos e mais líquidos

Além de não chover no Atacama, não há umidade também. A Cordilheira dos Andes impede a chegada de ar úmido da Amazônia, funcionando como uma barreira para a corrente de ar. Então você deve carregar sempre uns 2 litros de água, colírio, creme para as mãos e rosto, lencinho umedecidos – acredite, você irá agradecer por essa dica, pois nunca se sabe onde o próximo banheiro será.

4. Descanse nas primeiras horas

Chegar lá durante o dia e já quer aproveitar para conhecer e sair fazendo os passeios? Tenha um pouco de calma. É muito comum sentir um mal estar no primeiro dia devido à grande diferença de altura. Eu fui sentir no terceiro dia, após um passeio que durou o dia inteiro e foi para uma altitude ainda maior. Para resolver, eles vendem muitos produtos da folha de coca na cidade, tais como balas, chás ou mesmo a folha em si para mastigar – se não quiser encarar, você pode levar remédios para enjôo e tontura na mala.

Tire as primeiras horas na cidade pra passear pelo centrinho, sentir o clima do povoado e se habituar à cultura local, ou fazer passeios mais leves, como o Vale de la Luna.

5. Preste atenção na hora de escolher os pacotes de passeios

Como foi dito no começo do post, San Pedro de Atacama é uma cidade completamente voltada ao turismo. Por esse motivo, o Atacama é um dos destinos mais caros pra se visitar no Chile. Eu pesquisei muito sobre os passeios que eu gostaria de fazer, custo benefício, pacotes e etc antes de ir. No fim, resolvi fechar um pacote com quatro passeios no Hostel que eu fiquei. Dois problemas aconteceram:

1. As entradas dos parques nacionais não estavam inclusas, então para três passeios eu precisei pagar a mais – o que não estava nos meus planos iniciais.

2. Não era o próprio Hostel quem oferecia os passeios, eles apenas vendiam os pacotes de diversas outras empresas de turismo dependendo do dia e de qual passeio você escolheu. Portanto, nos quatro dias que eu fiquei lá, fiz quatro passeios com quatro agências diferentes. O que não é um grande problema, mas a qualidade muda bastante de um para outro.

 Salar de Tara, Atacama

Então, fique atento ao que está incluso no pacote que você escolher para não haver nenhuma surpresa, o que me leva a próxima dica:

6. Pesquise bem antes de escolher onde se hospedar

Sério. Pesquise. E quando decidir, pesquise mais um pouco só para ter certeza. Em San Pedro há hotéis belíssimos, spas, resorts, tudo impecável. E caros também. Pra mim, pobre mortal (estudante), as opções ficaram entre os hostels da cidade. Também há muitas opções e acabam sendo os mais procurados por jovens e mochileiros.

Eu escolhi o Hostel Tatais (que significa “amigos” no dialeto da cidade) e eu não recomendo porque não tive uma boa experiência. Eu estava lá para aproveitar e conhecer o máximo de lugares com o máximo de energia então dormia cedo e acordava bem mais cedo do que estou acostumada.

Por mais que o hostel tenha uma “política de silêncio”, ela não foi respeitada durante a minha estadia. Uma noite houve festa até as 4h da manhã – sendo que eu teria que acordar às 5:30h. Mesmo se você estiver lá para aproveitar, fazer festa e quiser ir nos passeios que ocorrem somente pela tarde, ainda assim falaria para você escolher outro hostel.

Para resumir minha péssima experiência:

Eu cheguei lá meio dia e às 14h saí para um passeio leve, enquanto isso estavam arrumando a luz do meu quarto (estava sem lâmpada). Nos disseram para deixar as malas no quarto que iriam fazer isso rapidinho e depois fechariam a porta.

1. A porta não tinha tranca, se você quisesse trancar precisava usar um cadeado;

2. Cheguei as 22h no hostel com a porta do quarto aberta e ainda sem luz;

3. A camareira não trocou a roupa de cama, apenas tirou, deu uma batidinha e passou um spray para dar um cheiro de limpo.

Extra: Na maior parte dos passeios, a van passou no Hostel para nos buscar, mas em outros não. O Hostel ficava uns 7min andando do centro da cidade, sem problemas. Mas preste atenção nisso também!

7. Explore a cidade!

Explore a cidade e seus encantos. É pequena? Sim, muito. Mas se aventure pelas ruelinhas, saia das “ruas principais” que só querem atrair os turistas “preguiçosos”. Fazendo isso eu encontrei um restaurante muito bom onde entrada + prato principal + sobremesa saíam por 4.500 pesos!O que muitas vezes não é nem o custo do prato principal em outros restaurantes. Voltei lá mais duas vezes, mas infelizmente não lembro o nome, nem tenho foto do lugar.

Experimentei sorvetes de plantas que só se encontram lá, quando estava explorando as ruas menos movimentadas, também.

As pessoas são muito abertas e em todo lugar você vai encontrar alguém para trocar uma ideia, seja com outros turistas ou com o povo local. Aventure-se!