O Gabriel viajou para Mallorca em junho de 2016 e agora compartilhar conosco suas impressões e roteiro dos seus três dias na ilha. Confira o relato abaixo e, em caso de dúvidas, deixaremos o contato dele disponível no final do post:

 Serra de Tramuntana

Mallorca é a maior ilha do arquipélago (3600 km²) das Ilhas Baleares localizado à leste da Espanha, no meio do Mediterrâneo. Por sua localização estratégica, foi alvo de muitos ataques de vários reinos durante sua história, que desejavam controlar a paradisíaca ilha. Seu litoral é muito recortado, com inúmeras praias pequenas cercadas por penhascos, estas são conhecidas como Calas: praias de pequena extensão, muitas vezes privadas.

A região mais movimentada é a da Baía de Palma, no sudoeste, composta pelas cidades de Palma, Magalluf, Palmanova que atraem muitos turistas europeus (principalmente ingleses e alemães) em busca de farra nas casas noturnas. Se você estiver procurando agito, Magalluf é famosíssima pelas festas.

Mais à oeste, saindo da Baía, as pequenas cidades de Santa Ponsa, Peguera, Port d’Antratx, são locais mais familiares, embora também recheado de turistas. Além de hotéis e pousadas, ali ficam muitas mansões encravadas nos morros que quebram no mar. Existem algumas Calas ali também que atraem muitos turistas por conta de seus beachclubs.

Cala em Cap Formentor

Port d’Antratx

 Santa Ponsa

A costa noroeste/norte da ilha é composta por uma cadeia de montanhas chamada Serra de Tramuntana que cai bruscamente no mar. Encravadas na Serra, existem pequeníssimas cidades e vilarejos, de pouco movimento, longe de serem badalados como o sul, mas que acabam atraindo turistas que procuram por um local mais pacato. Desde assistir o pôr-do-sol na bela cidade litorânea de Soller até almoçar uma paella com uma estonteante vista para o mar em uma das pequenas vilas encrustadas na Serra, esta região possui um charme único que vale a viagem até lá.

A região nordeste composta por cidades como Puerto Pollensa, Port d’Alcúdia e Can Picafort são mais familiares também, embora tenham um pouco de festa. São praias mais extensas do que o comum na ilha. Nessa região também se encontra o belíssimo Cap Formentor. Já a costa sudeste é toda recortada. Poucas praias extensas, pequenos vilarejos de pescadores e muitas, mas muitas Calas. Algumas delas acabam abrigando muitos hotéis, resorts, marinas e restaurantes muito elegantes.

O interior da ilha é extremamente rural e te faz esquecer de que estais em uma ilha no meio do Mediterrâneo. Pequenos vilarejos aqui e ali mostram como essa região ainda resiste aos turistas que procuram as praias de Mallorca.

 Santa Ponsa

Me hospedei em Santa Ponsa, à 30min do aeroporto, uma praia movimentada por turistas e repleta de típicas lojinhas de praia. O movimento me lembrou bastante as praias brasileiras, apinhadas de turistas durante o verão. Transitar de carro é muito seguro pois as rodovias são todas impecáveis! As placas são escritas em catalão, mas não se preocupe – quase 100% dos restaurantes oferecem cardápio em inglês e alemão.

DIA 1
O dia não havia amanhecido muito bonito, peguei o carro e fui explorando a região sul. Enfim cheguei à belíssima Cala Pi, uma minúscula praia de águas cristalinas.

 Cala Pi

A oeste de Cala Pi, no extremo sul da ilha encontra-se um dos meus locais preferidos dessa viagem: Cap Blanc. Ali, a única edificação existente é um farol, situado na beira de um alto penhasco, às margens do Mar Mediterrâneo. É possível andar pelos arredores do farol, à beira do penhasco e em meio a natureza. Sendo um lugar tão isolado, é possível apreciar a belíssima vista da imensidão do mar azul chocando-se contra os altos penhascos de Cap Blanc.

Em seguida, segui em direção leste, onde parei em Mondragó, um parque florestal rodeado por minúsculas calas, todas com águas cristalinas, onde alguns turistas aproveitavam o sol que havia chegado.

 Parque Mondragó

Continuei à leste até chegar em Cala d’Or, uma pequena cidade com casas e hotéis de alto luxo, marinas cheias de iates e restaurantes caríssimos. Terminei o dia com um belo pôr-do-sol em Portocolom, um pacato vilarejo de pescadores que acabou me lembrando bastante minha cidade natal de Florianópolis.

DIA 2
Hora de explorar a parte oeste e norte da ilha! Saí cedo de Santa Ponsa e fui dirigindo devagar pelas encostas, passando por Cala Fornells e Cala Blanca, até almoçar em Port d’Antratx, na beira da Serra de Tramuntana, uma pequena cidade portuária, composta por inúmeros restaurantes que margeiam a pequena baía, esta recheada de barcos e iates. Os morros que rodeiam a apertada baía eram repletos de elegantes casas e mansões.

Port d’Antratx

Port d’Antratx

Após o almoço segui caminho pela famosa Serra de Tramuntana. A estrada fica encravada entre o litoral e a Serra e portanto, proporciona belíssimos cenários. Por muitos quilometros só se vê o contraste da altitude da Serra caindo bruscamente no mar. Em meio à estrada, pequenos vilarejos encrustados nas montanhas me lembravam de que ali ainda era a Espanha. Tais vilarejos eram muito charmosos, com pequenos restaurantes e lojas locais legitimamente espanhóis. Nessa estrada fica o Son Maroig, a residência preferida do Arquiduque Ludwig Salvator da Áustria no fim do século XIX, onde ele escreveu trabalhos sobre a vida selvagem das Ilhas Baleares. Atualmente, é um museu privado que tem o objetivo de preservar e promover a emblemática figura do arquiduque. Mas o ponto forte da casa é a sua estonteante vista para o mar e por isso ela é utilizada como local para eventos e casamentos.

Son Maroig

DIA 3
No terceiro dia fui ao nordeste da ilha, em direção ao Cap Formentor. Após dar uma passada em Son Marroig para tirar umas fotos, visto que o local estava fechado no dia anterior, segui para o meu destino. O cabo é um local espetacular, proporciona vistas incríveis nos 35 min de viagem de carro desde Porto Pollensa até seu fim, onde é localizado um farol. A estrada é encrustada nas montanhas e beira penhascos assustadores e calas solitárias. No retorno do farol, encostei o carro na beira da estrada e desci a pé em direção a uma dessas paradisíacas calas.

 Cap Formentor

Por fim, passei pelas grandes cidades de Porto Pollensa, Port d’Alcudia, para enfim finalizar o dia com um sorvete no belíssimo pôr-do-sol de Cala Millor.

E aí, gostou do passeio do Gabriel?  Se quiser mais informações, fala com ele:
E-mail: gabrielrgoulart@gmail.com
Facebook: /gabrielrgoulart
Instagram: @gabrielrgoulart
500px.com/gabrielrgoulart