Agora que você já conheceu o básico de Santiago no primeiro dia do roteiro, é hora de explorar outra parte da cidade! Dessa vez conhecendo mais os parques e aproveitando o que a capital tem de melhor. Novamente, os pontos do mapa, em vermelho, estão listados abaixo.

Você pode conferir o mapa abaixo na versão completa com todos os pontos (e alguns extras) aqui.

Cerro de San Cristobal

O Cerro de San Cristobal oferece a vista mais bonita da cidade nos dias ensolarados! É possível subir de duas maneiras: a pé ou de funicular (cerca de $2.000 pesos). Está localizado no bairro mais descontraído da cidade na minha opinião, chamado Bellavista. O cerro faz parte do Parque Metropolitano de Santiago, considerado o maior parque urbano do Chile.

Recomendo subir a pé se você tem tempo (e um pouco de preparo físico) pois a cidade vai se mostrando aos poucos e o ambiente também é super agradável, entre as árvores e com pessoas de todas as idades passeando, até locais correndo e andando de bicicletas!

No topo há barraquinhas vendendo lembranças como em qualquer lugar turístico, e você também pode experimentar o famoso Mote com Huesillos, bebida típica chilena. Na minha opinião, muito doce para valer a pena… Mas não custa provar!

Quando você finalmente chega ao topo, a primeira coisa que você vê é a paisagem! A cidade toda aos seus pés (e a poluição de fundo atrapalhando o horizonte, haha). Deve ser lindo no pôr do sol! Além da paisagem, há também a Estatua de la Virgem, que possui 36m de altura e você pode subir até os seus pés (mas depois de tanta ladeira, está liberado apenas sentar e aproveitar a vista).

DICA: Junto ao cerro há também um Zoológico, aberto de terça a domingo. Não sei se vale a pena ou não pois eu particularmente não gosto de zoos. Porém se você gosta e tem tempo de sobra, pode ser mais uma atração!

 

Museu La Chascona

O museu La Chascona, é a casa do famoso escritor chileno Pablo Neruda na capital do país. A casa foi construída em 1953 para ele e para a sua até então amante Matilde Urrutia, à quem o nome da casa faz referência.

Chascona em espanhol significa “despenteada”, pois os cabelos de Matilde eram volumosos e indomáveis. Os dois casaram-se alguns anos depois em 1955 e atualmente a casa é sede da Fundação Pablo Neruda, que é responsável pela manutenção dos artigos, livros, manuscritos e pelas três casas do escritor que foram transformadas em museus preservando a literatura chilena e seu legado.

O Museu localiza-se perto do Cerro de San Cristoban, mas você não passará na frente por acaso, é numa ruelinha, porém há placas indicando e você pode perguntar para os funcionários do Cerro que todos saberão te indicar o caminho! São poucos minutos andando e logo você chegará.

A visita pela casa é com áudio-guia, você tem números em cada cômodo e escuta a história por trás de cada lugar. É um local muito bonito e está muito bem preservado, lá você encontra a mobília original da casa.

DICA: A lojinha no final do tour é linda demais e dá vontade de comprar tudo! Vale a pena conferir e deixar uns pesos separados para comprar recordações.

Além dessa, você tem mais duas casas do escritor para visitar no país, uma em Valparaíso e a outra em Isla Negra.

Mercado La Vega

O Mercado La Vega é outra feira aberta todos os dias do ano que normalmente é negligenciada pelos turistas. Você pode encontrar de tudo lá, frutas, verduras, carnes, queijos, artesanato… e com uma certeza: mais barato que em qualquer outro quiosque ou supermercado!

Os preços são normalmente tabelados e os atendentes estão sempre dispostos a ajudar! Vale a pena se você quiser sentir a cultura chilena mais de perto, pois não é um ambiente tão “turístico” quanto o Mercado Público.

Parque Florestal

Meu lugar preferido da cidade, às bordas do rio Mapocho, começando na Plaza Baquedano você pode acessar de lá o Mercado Central, La Vega e o Museu de Bellas Artes. Logo no começo, numa esquina do ladinho você encontra a sorveteria Emporio la Rosa que já entrou na lista das “25 melhores sorveterias do mundo”! Imperdível, mesmo no inverno.

A dica é não deixar de incluir alugar uma bicicleta para aproveitar o parque no roteiro, fazer um picnic ou apenas caminhar. É um ambiente tranquilo, com muitas crianças e famílias aproveitando os raios de sol a todo momento.

Museu Nacional de Bellas Artes 

A entrada para o Museu é gratuita desde 3 de Março de 2015, aberto de terça à domingo das 10:00 às 18:45 e localiza-se no Parque Florestal, como citado acima.

As exposições se dividem em três tipos: permanentes, temporais e histórias. A exposição permanente oferece mais de cinco mil obras de arte que compõem o patrimônio artístico chileno. Já as exposições temporais ficam geralmente de 2 a 4 meses e costumam ser mais de uma ao mesmo tempo.

O museu vale muito a pena, é muito muito legal, e tem de tudo, arte moderna, esculturas, pinturas antigas… e é de graça, então nem vale dizer que não tem dinheiro pra investir em cultura, hein. Deveria ser parada obrigatória em todo roteiro pela cidade.

Patio Bellavista

Patio Bellavista é um complexo de restaurantes e lojas no coração do bairro Bellavista, que é um dos mais badalados durante a noite na cidade, e um dos meus lugares favoritos.

No Patio há de tudo, restaurantes caros, baratos, Starbucks, sorveterias, creperias, lojas para comprar souvenir… Eu acabei indo no 100 montaditos, uma rede de tapas espanhóis, muito bom! Se nada por lá agradar (difícil pois tem muita opção) você pode explorar as ruas do bairro porque com certeza vai encontrar algo.