Já pensou em morar na Escócia? A Ana Carolina Mangrich, 22 anos e estudante de Medicina da UFSC, passou quase um ano estudando em Dundee entre setembro de 2015 até julho de 2016 pelo programa Ciência sem Fronteiras. Como nossa convidada colaborativa, ela vem compartilhar todos os detalhes desse intercâmbio na Escócia para te inspirar a ir também!

Confira abaixo o depoimento da Ana sobre intercâmbio na Escócia:

Procurando acomodação na Escócia? Confira os melhores preços aqui!

O que te levou a escolher a cidade/país?

No programa Ciência sem Fronteiras tínhamos que escolher primeiro o país, depois três universidades nesse país por ordem de opção. Escolhi o edital do Reino Unido, principalmente pela língua. Achei que aproveitaria melhor o curso em um país cuja língua eu já tivesse mais contato. Escolhi a Europa pela proximidade com outros países que eu também queria visitar ao longo do ano. No edital do Reino Unido estavam disponíveis diversas opções de universidades na Inglaterra, Irlanda do Norte, Escócia e País de Gales. A Universidade de Dundee, na Escócia, foi uma das minhas opções principalmente pelo curso que eu fiz, que era um dos poucos em que éramos inseridos na faculdade de Medicina mesmo, sem precisar estudar só as matérias do ciclo básico ou Biomedicina, como acontece com a maioria dos estudantes do curso que vai. Eu fiz um curso chamado Applied Orthopaedic Technology, que é um Intercalated Degree*.

*Em algumas universidades de Medicina no exterior os estudantes podem “parar” o curso por um ano, escolher uma área de interesse (cada universidade oferece um número de opções, mais ou menos 50% dos alunos opta por isso) e dedicar o quarto ano a isso. No final eles se formam e ganham um BMSc (que é um diploma de Bacharel em Ciências Médicas), e depois desse ano continuam o curso de Medicina normalmente.

Qual foi a documentação necessária?

  • Histórico Acadêmico (em português e traduzido pro inglês)

  • IELTS: é uma prova de inglês com validade de 2 anos. A nota vai de zero a 9 em 4 competências: reading, writing, speaking, listening. No final, a soma das 4 notas dividido por 4 é o overall. É necessário ter overall 5.5 pra ir.

  • Personal Statement: é uma carta onde você fala sobre você, seus interesses e porque você acha que as faculdades deveriam te escolher. Vender seu peixe, basicamente.

  • Comprovante do Seguro de Saúde

  • Autorização da Universidade no Brasil (isso depende de cada universidade, a UFSC de maneira geral é bem tranquila pra liberar intercâmbios)

Como escolheu onde morar?

No Reino Unido em geral as acomodações são da própria universidade. O governo repassava o dinheiro direto pra eles. Eu não pude escolher com quem morar, morava com 3 brasileiros, uma alemã e um inglês.

Como foi chegar no lugar, qual foi sua primeira impressão? Te receberam bem?

Foi maravilhoso. Fui de avião até Edimburgo, de lá peguei um trem até a minha cidade. Quando cheguei havia pessoas da universidade esperando os alunos novos na estação de trem. De forma geral, os escoceses são um povo muito receptivo e humilde. São o tipo de gente que se você está perdido, te pegam pela mão e te levam até onde você quer ir. Eles são muito gentis e me acolheram muito bem. Na primeira semana, chamada de Freshers Week, não tivemos aulas (isso é muito comum nas universidades do Reino Unido). Eles promoveram festas todos os dias, além de eventos organizados especialmente para os alunos internacionais. Eles também têm “societies” (outra prática comum no Reino Unido), que são grupos de alunos com um interesse comum. Tem societies de vários esportes, de várias matérias, e eles fizeram uma feira onde a gente podia entrar nas societies que queria. Tudo isso foi ótimo pra conhecer pessoas novas e interagir.

Como era sua rotina?

Eu morava dentro da universidade, mas como eu estudava no hospital (45 minutos caminhando do campus) tive que procurar algum meio de transporte. Acabei comprando uma bicicleta, que foi uma boa ideia no início e financeiramente valia mais a pena que o ônibus (ônibus são muito caros). Porém, não levei em consideração que chove muitos dias por ano na Escócia, então várias vezes tive que ir de ônibus mesmo assim. Eu tinha pouquíssimas aulas na semana, no início do semestre eram quatro vezes por semana, umas duas horas de aula por dia. Com o passar do tempo diminuiu ainda mais, tinha aula umas duas vezes por semana. Algumas matérias eram self-learning (não tinha professor, só uns PDFs pra estudar), tinha bastante coisa pra fazer em casa, mas organizando dava tempo de fazer tudo e viajar um pouco. Pra mim isso foi ótimo. Nosso sistema de ensino aqui no Brasil é muito diferente, eu tenho aula das 7h30 às 17h quase todos os dias e isso me deixa sem tempo pra fazer outras coisas. Lá eu tinha tempo pra praticar atividades físicas, viajar, sair, me dedicar mais às atividades da faculdade. Geralmente no meu tempo livre eu passeava, ia no mercado, ficava com meus amigos, ia pra academia, viajava (e planejava viagens), etc.

Como era o clima por lá?

O clima na Escócia não tem muita variação no verão e no inverno como tem em outros lugares da Europa. No inverno as temperaturas ficavam em torno de zero, a menor temperatura que peguei lá foi em torno de -10 graus, mas era muito raro chegar nisso. No verão faz de 10 a 15 graus. Antes eu pensava que quanto mais camadas de roupa melhor, mas lá as roupas são adequadas ao frio que faz. O importante é ter uma boa blusa térmica, um fleece (casaco bem fino, que corta o vento) por cima, e um casaco grosso por cima de tudo. Era sempre assim que eu saia no inverno.

Quais os lugares que você mais gostava de frequentar?

Tinha uma balada dentro do campus da minha universidade e era pra lá que a gente costumava ir toda terça e sexta. Tocava música pop, hip hop, essas coisas. O Reino Unido tem a cultura dos pubs também, que são bares em que você vai no balcão, paga sua bebida e leva pra mesa (não tem garçom, e nem precisa pagar a conta só no final). Em datas especiais a gente costumava ir pros pubs e pra essa balada. Também ia ao cinema quando tinha algum filme legal passando, ou só ia andar no centro quando precisava comprar alguma coisa. Mas como a gente tentava economizar ao máximo pra poder viajar bastante, as minhas melhores lembranças ainda são dentro do flat, fazendo festa com meus amigos. Por isso foi tão importante estar cercada de tantas pessoas legais.

Quais os lugares que não estão nos roteiros turísticos típicos mas vale a pena conhecer?

Na minha cidade tinha uma praia chamada Broughty Ferry. Como ela era mais afastada eu fui conhecer só no final do intercâmbio, mas ela lembra muito algumas cidades menores da Escócia, com casinhas baixinhas, restaurantes, barcos. Também peguei a bicicleta um dia e fui pedalando até St. Andrews, que fica a mais ou menos 25km de Dundee. É uma das cidades mais antigas da Escócia, e foi lá que o príncipe William e a Kate Middleton estudaram e se conheceram, e é um centro bem importante para a prática de golf. Foi bem cansativo, mas o caminho e a cidades são maravilhosos, dá pra ir parando e tirando fotos, e o país tem uma rede de ciclovias enorme e bem sinalizada que liga as cidades.

Qual o custo de vida da cidade?

Meu aluguel custava 500 libras (era um flat, cada um tinha seu próprio quarto e banheiro, cozinha compartilhada), com tudo incluso, inclusive manutenção se necessário. Esse valor era repassado direto do governo pra universidade, então não paguei. Além disso, eu gastava em torno de 100 libras por mês de mercado, mais 100 libras com outras coisas (roupas, coisas da faculdade, transporte quando precisava, festas, lavanderia, etc). O ônibus custava 2 libras o trecho (que eu achava muito caro), mas a passagem semanal era em torno de 10 libras, que valia a pena pra quem precisava pegar sempre.

O que você mais gostou de fazer durante sua estadia?

Durante esse ano fiz muitas viagens maravilhosas e marcantes, mas acho que especificamente sobre a Escócia adorei viver a cultura. Eles têm muitas coisas típicas como o kilt, que é aquela saia xadrez que os homens usam em ocasiões formais, a gaita de foles, aquele instrumento de sopro com um som bem típico (e meio chato depois de um tempo). Adorei viajar pelas Highlands (a parte norte da Escócia, onde fica o Lago Ness) e conhecer campos, castelos, vilas. Acho que durante o intercâmbio é muito importante procurar conhecer a cultura do país que a gente mora, visitar lugares daquele país e tentar ter experiências locais. A comida típica da Escócia é o Haggis, que são “restos” da ovelha moídos (restos tipo olho, cérebro, intestino..) e servidos com purê de batata. Eu adorei, comia sempre que podia, mas você só tem coragem de fazer essas coisas se está disposto a conhecer a cultura local.

 

Além disso, durante esse ano realizei vários sonhos. Fui para a Oktoberfest de Munique, para a final de Roland Garros (torneio de tênis), pras quartas de final de Champions League, pra vários shows que eu queria ir, andei de camelo e dormi no deserto do Saara, enfim, muitas lembranças especiais que sempre vou levar comigo.

De tudo isso, as experiências que mais me marcaram foram as viagens que fiz sozinha. É uma ótima oportunidade de se conhecer, de aprender a gostar da própria companhia e de fazer amigos. Além de ser libertador não saber o que te espera no dia seguinte. O fator surpresa nessas horas é muito bom!!

O que não se pode deixar de trazer de lá?

Acho que se eu viajasse pra Escócia e fosse trazer um presente traria um whisky escocês ou um alguma peça de roupa com um tartan diferente (é o mesmo padrão xadrez dos kilts, mas cada um representa uma “família”, por isso tem tantos padrões diferentes). Mas confesso que pra mim só trouxe um bichinho de pelúcia do monstro do Lago Ness, que eles chamam carinhosamente de Nessie.

No geral, como foi sua experiência? O que você recomendaria e não recomendaria?

Maravilhosa. Eu recomendaria que todo mundo fizesse um intercâmbio na vida, e que fosse de cabeça aberta. Nós somos expostos a coisas novas o tempo todo, pessoas com diferentes opiniões, diferentes culturas, comidas, tudo. Acho que é uma ótima oportunidade pra conhecer a si mesmo e realizar sonhos. Eu não recomendaria ir com um grupo de amigos próximos, porque quando você vai sozinho se abre muito mais pras pessoas e experiências novas.

Alguma curiosidade que deseja compartilhar?

Sobre a Escócia tem algumas curiosidades legais. A Escócia é o único país no mundo em que a Coca-Cola não é o refrigerante mais vendido, é o Irn Bru (um refrigerante local). E também os Kilts são uma propriedade de família. Cada família tem um tartan próprio, que é um padrão de xadrez que todos os homens da família usam. Alguns meninos quando fazem 18 anos não ganham um carro, e sim um kilt completo (com meia, e a bolsinha que eles usam junto), porque pode ser bem caro um de verdade (em torno de 1000 libras).

Gostou? Quer entrar em contato com a Ana Carolina?

E-mail: anacarolina_mangrich@hotmail.com          

Facebook: Ana Carolina Mangrich

Instagram: anacmangrich