Quem vem compartilhar sua experiência no Morando por aí dessa semana é a Renata Portella. Ela é estudante de Arquitetura e Urbanismo em São Paulo e fez 14 meses de intercâmbio em Lincoln, na Inglaterra, onde estudou inglês e arquitetura pelo programa Ciências sem Fronteira do governo brasileiro. Vem acompanhar com a gente essa aventura longe das terras brasileiras!

O que te levou a escolher a cidade/país?

Estava procurando opções de universidades na Inglaterra com algumas amigas e então ficamos sabendo de uma feira de estudos no Reino Unido acontecendo em São Paulo (muito conveniente). Lá, nós pudemos conversar com diversos representantes de várias universidades e consegui definir minhas preferidas. Entre elas, o stand da Universidade de Lincoln foi um dos que me chamou mais a atenção, pois a representante foi muito atenciosa e paciente, além de explicar tudo que perguntamos. Quando cheguei em casa depois da feira, fui pesquisar mais sobre a cidade e me apaixonei!

 The Strokes, Lincoln

Você fez o processo sozinha ou por intermédio de terceiros?

Fui pelo Ciências sem Fronteiras, então muitas burocracias foram resolvidas entre a universidade e os responsáveis pelo programa (lado bom).

Qual foi a documentação necessária?

Como nem tudo são flores, a preparação de documentos para o CsF é mais burocrática. Além de comprovantes de matrícula e teste de proficiência, o programa exige comprovantes de matrícula, histórico da faculdade (que mais na frente no processo precisaria ser traduzido) e o famigerado resultado do ENEM.

 Bayford Pool, Lincoln

Como escolheu onde morar?

No caso específico da Inglaterra, todos os estudantes do CsF moram em moradia estudantil e, como o programa faz o contrato direto com as empresas de acomodação, eles é que definiram o lugar que eu moraria. Como eu fui um pouco antes para fazer curso de inglês, morei em duas acomodações diferentes: nos courts durante o curso de inglês – moradia interna da faculdade – e no Park Court durante o ano letivo, que é administrado por uma empresa de acomodações e fica fora do campus. Por coincidência, as duas moradias tem a palavra court no nome, mas isso é apenas o nome das acomodações mesmo.

Sobre a localização das acomodações, Lincoln é uma cidade muito pequena (mesmo), então ambas tem acesso fácil ao centro. Os courts, na Campus Way, ficam um pouquinho mais distantes do comércio geral, mas ficam mais próximos do supermercado. A rua dos courts é quase exclusiva, não passam tantos carros e tem apenas os prédios das moradias estudantis. O Park Court, na 50 Park Street tem uma das melhores localizações dentre as acomodações, uma quadra da High Street, onde lojas, mercadinhos, restaurantes e baladas ficam mais concentrados. Fica em frente à uma praça (um graveyard, na verdade) e pode parecer esquisito de chegar de noite por conta das árvores, mas não tem perigo algum, é bem seguro.

Mesmo eu não tendo escolhido, tenho algumas dicas:

1. As acomodações são, em geral, mais caras que alugar e dividir uma casa. Então, se estiver vindo por conta, considere procurar as casas.

2. As acomodações são super perto da universidade (dependendo de onde você estuda, algumas podem ser mais perto que a moradia interna da universidade). Mas como a cidade é um ovo, não existe nada realmente longe.

3. Se você optar por acomodações, existem muitos fatores para levar em conta. Além do preço, tem várias opções diferentes de quarto, de quantas pessoas dividem o flat (desde sozinho até seis pessoas), de área comum dentro do flat e da acomodação como um todo, de banheiros compartilhados ou não, etc.

Como foi chegar no lugar, qual foi sua primeira impressão? Te receberam bem?

A universidade oferece um free pick up em dois aeroportos para os alunos internacionais, então se você conseguir se programar para chegar nesse dia é um sucesso! (Não é difícil ir pra Lincoln de Londres, mas se for sua primeira vez na Inglaterra é bom encontrar o pessoal da universidade).

O ônibus me levou direto para acomodação que eu ia ficar e fui super bem recebida. Como cheguei pro curso de inglês e fiquei na acomodação da universidade, a recepção foi um pouco diferente. O pessoal do Wellbing Centre que estava lá para ajudar foi cuidadoso com todos os alunos, pois ninguém falava inglês direito. Deram um kit com a chave dos quartos, várias instruções e guias e uma garrafinha de água <3 Depois eles levaram os alunos no mercado mais próximo e foram dando dicas pra gente. Para quem chegou direto no ano letivo, o ônibus do pick up foi passando em cada acomodação para deixar os alunos.

Durante a viagem de ônibus, fui vendo a cara dos lugares que passávamos e tudo parecia de mentirinha, de tão diferente do Brasil. Quando chegamos em Lincoln foi o ápice da cidade cenográfica: com a Catedral reinando em cima da colina e rodeada por todas aquelas casinhas fofas.

Como era sua rotina?

Durante todo o período de intercâmbio eu só estudei. Contudo, tive dificuldade de me adaptar à grade horária, pois as aulas começavam em horários diferentes todos os dias. Não sabia bem o que fazer no meu tempo livre e fui me adaptando aos poucos. Em geral, a minha rotina era bem livre. Além de ir nas aulas regulares, entrei em cursos de idiomas organizados por alunos internacionais e aulas de inglês oferecidas pela universidade. Tem várias atividades e societies que os alunos montam e que podem preencher a sua agenda.

Como era o clima por lá?

O clima de Lincoln não é a melhor característica da cidade. Venta bastante, então mesmo no verão é bom sair com um casaquinho por via das dúvidas. Falando em verão, a temperatura muitas vezes não passa dos 20ºC e chove bastante, mas nada muito forte. Os ingleses não ligam muito para a chuva e estão sempre fora de casa se tiver sol. Essa época do ano é maravilhosa, pois fica dia das quatro da manhã até as dez da noite!

Entretanto o inverno é o oposto, quatro da tarde já está escurecendo. Em Lincoln faz frio no inverno, chegando aos 0ºC, mas não é tão comum nevar. O melhor é usar um casaco que proteja do vento e não dispense um cachecol, mas use uma roupa não tão quente por baixo, pois dento dos prédios é quentinho. No mesmo dia você pode ver neve, frost (quando as superfícies ficam congeladinhas), sol, chuva…

 Mercado de Natal, Lincoln

Quais os lugares que você mais gostava de frequentar?

Segundo os meus amigos, o meu lugar favorito de Lincoln é o supermercado, mas não é verdade.

Um dos lugares mais legais de passar um tempo é dentro das muralhas do castelo. Lá sempre está acontecendo alguma coisa, alguma feira ou festival. E, mesmo quando não tem nada rolando, só deitar no gramado verdinho já faz um bem pra alma. Na verdade, o caminho até o Castle Hill é, por si só, uma atração: o mais interessante é ir subindo pela High Street, onde tem a maior parte das lojas da cidade, e continuar pela The Strait, que já teve a alcunha de Britain’s Best Street, que conta com várias lojinhas independentes e fofas.

Castelo, Lincoln

Um outro lugar maravilhoso é o parque West Common, onde você encontra vários cavalos soltos, que você pode interagir (e estes cavalos são dos moradores da cidade!), fora a paisagem linda do parque. Foi uma descoberta surpreendente da cidade!

 West Commom, Lincoln

Quanto à lugares para comer e beber, Lincoln tem uma área com vários restaurantes grandes na Brayford Wharf que são muito bons, dentre eles o mexicano Chimichanga e o pub Square Sail. Na High Street, vale a pena conhecer o Stokes, um café que fica em um predinho tradicional por cima do rio. Meus amigos gostam muito de um restaurante tailandês chamado Chef Pong que fica em uma travessa da High Street, onde um amigo se esqueceu da minha baixa tolerância a comidas apimentadas e me fez experimentar só os mais apimentados. Na parte alta da cidade tem alguns restaurantes turísticos, mas o mais legal é o Widow Cullens Well, um pub todo clássico e com bebidas em conta.

Quais os lugares que não estão nos roteiros turísticos típicos mas vale a pena conhecer?

A cidade em si está fora do roteiro dos turistas estrangeiros, mas tem muitos turistas ingleses, o que a torna um tanto autêntica. Além do West Common (não deixe de ir!), alguns outros lugares podem revelar surpresas. O Stonebow pode ser apenas um arco sob a High Street, porém existem visitas guiadas gratuitas lá dentro para visitar o Guildhall e ver tudo de cima! Para aqueles lados tem também o Arboretum, um parque muito bonito com os clássicos jardins vitorianos. Lá em cima da colina tem alguns lugares muito bonitos, como a parte de trás da Catedral, que tem um grande gramado e uma estátua do Lord Tennyson, um poeta famoso nascido em Lincolnshire. E não deixe de procurar a melhor vista da cidade lá de cima.

 Arboretum, Lincoln

Qual o custo de vida da cidade?

Lincoln não é uma cidade muito cara (comparando com outras cidades do UK, não convertendo diretamente). Obviamente, algumas frutas que estamos acostumados no Brasil são mais caras e não tão frescas, como abacaxis (£1,72), melancias (£2) e mangas (£1,75). Contudo, os vegetais nativos ou comuns costumam ser mais baratos e com um gosto bom, principalmente na sua época. Bons exemplos são maçãs (£1 por quilo), batatas (£2 por quilo), cebola (£0,60 por quilo) e as berries no verão. Arroz e macarrão são baratos no geral, mas as carnes são caras, especialmente a de boi. Comer fora pode ser caro ou barato, depende do lugar e do tipo de comida, desde £5 até £15.

Você não vai precisar de outro transporte que não sejam os seus próprios pés. Mas entre cidades você pode pegar ônibus ou trem, que variam principalmente com quanta antecedência você compra. Para Londres, pode-se achar passagens de £9 de ônibus e £11 de trem. Os aluguéis mais baratos de casas costumam ser por volta de £75 por semana por pessoa.

O que você mais gostou de fazer durante sua estadia?

Eu gostei muito de vir para cá e conhecer tanta coisa diferente, e tantas pessoas diferentes também! Para citar um exemplo, uma das coisas mais marcantes (e com as piores fotos possíveis) foi a Feira Steampunk, que acontece todos os anos em Lincoln, na qual a cidade toda se caracteriza e nada poderia combinar mais com o cenário!

O que não se pode deixar de trazer de lá?

Incrivelmente, Lincoln tem poucos souvenires interessantes, na minha opinião. Mas o mais único e que tem a cara da cidade é qualquer coisa que tenha o Imp, um demoniozinho que foi esculpido na Catedral (sim, sério, até o time de futebol de Lincoln é conhecido como “os Imps”). Tem tudo quanto é coisinha do Imp na lojinha da catedral, desde chaveiros a peças de madeira. Mas como se trata de um demoniozinho, é melhor comprar pra você mesmo e não pra outras pessoas hahah Para presentinhos, indico qualquer coisa relacionada às Poppies, flores que representam os soldados mortos na Primeira Guerra (ao menos durante minha estadia, elas estavam bombando).

No geral, como foi sua experiência? O que você recomendaria e não recomendaria?

Eu posso dizer com certeza que nunca tive uma qualidade de vida tão boa quanto tive aqui. A cidade é uma gracinha e tudo que eu preciso estava à distância de, no máximo, dez minutos andando devagar. Sair daquela loucura de São Paulo e vir para essa quietude me fez muito bem que eu fiquei até perdida sobre o que fazer com o tempo livre. Infelizmente, eu não gostei do curso de graduação que fiz na universidade, mas os cursos de pós são mais focados e mais fáceis de rolar uma identificação. Com essa experiência, pude conhecer outras culturas, cidades e países e isso mudou a minha perspectiva e a forma como eu enxergo as coisas. Aqui o tempo passa de uma maneira diferente. Mesmo parecendo que o intercâmbio voou, aqui nada corre.

Ficou com dúvidas ou quer mais dicas sobre esse lugar incrível? Fala com a Renata:

E-mail: renata.c.portella@hotmail.com

Facebook: https://www.facebook.com/reehportella

Instagram: reehwasp