Terceiro e último dia de viagem, que pareceu mais longa do que foi, felizmente!! Os outros posts você encontra aqui e aqui.

Seguimos da capital para Postjona pra ver e aprender mais sobre o que a natureza da Eslovênia tem a nos oferecer! A segunda parada ficava a 9km dali, em Predjma – se você está sem carro, há transfers fazendo o trajeto Postjona – Predjma, ou você também pode optar por usar o transporte público da região. Também é possível usar os ônibus e trens públicos do país, basta chegar na estação e falar para onde você quer ir – ou checar o site oficial que você encontra clicando abaixo.

Caverna de Postojna

A principal atração da cidade é a Caverna de Postojna, uma estrutura descoberta acidentalmente em 1818 e que foi aberta ao público logo após, em 1819!

Eu, sem pesquisar direito, achei que se tratava de alguma mina, onde pessoas trabalharam e esse tipo de coisa, mas não! É uma caverna 100% natural, sem explorações, feita de estalactites, que se formam a partir do teto, e estalagmites, que se formam a partir do chão. Em muitos casos, as duas rochas se encontram formando uma coluna. É incrível porque para crescer 1cm são necessários muitos anos (uns 100 eu acho) e lá você vê rochas de todos os tamanhos possíveis! É surpreendente.

 

Ainda não reservou seu hotel na Eslovênia? Não perca tempo e confira os melhores preços aqui!

Dentro da caverna 

Sobre o tour

Eu havia lido que não poderiam ser tiradas fotos, mas quando fui era permitido sim, apenas sem flash. A iluminação artificial colocada dentro da caverna já altera a cor das rochas o suficiente, infelizmente. A caverna possui três andares, mas somente o central é aberto aos visitantes. Além disso, dos seus 21km de extensão, apenas 5 são percorridos – 3km de trenzinho e os outros 2km a pé. O passeio demora em torno de 1h, 1h e meia.

Acredito que, para um tour mais interessante e detalhado, seja preciso comprar o áudio que eles vendem separadamente. Paguei a entrada normal e fiquei um pouco decepcionada com a guia, além da entrada e da saída, nos parou apenas 1 vez dentro da caverna para dar mais detalhes. Contudo, a caverna em si é muito interessante e linda, mesmo pra quem não entende nada de rochas (fui com um estudante de geografia e ele ficou encantado). Valeu super a pena pois não é todo dia que você tem a chance de explorar algo desse tipo.

Essa não é a única caverna da região, mas é com certeza a mais famosa. E o legal é que na hora de vender os tickets eles tem diversas combinações, incluindo até o Castelo de Predjama, nossa atração seguinte! Eu paguei 25 euros pelas duas atrações, com entrada de estudante. O preço normal é  de 31 euros para o combo.

Dica: mesmo se for no verão, leve seu casaco pois dentro da caverna chega a fazer 10°C.

Castelo de Predjama

Construído para dentro de uma grande rocha, parece uma escultura no alto da colina. Ao contrário do tour da caverna, para visitar o castelo você ganha um áudio e pode ir no seu próprio ritmo, conhecendo cada cantinho. Pra mim, que sou nova nesse quesito de castelos, foi uma surpresa conhecer a história desse.

Não há nada de luxuoso dentro, o áudio explica que era um lugar muito incômodo e ruim de se viver por ser muito frio e escuro. Isso eu pude confirmar que era verdade já que mesmo num dia de sol eu estava de casaco lá dentro – imagina no inverno!

Vista para o castelo

Mas então por que as pessoas viviam lá? Porque era seguro. Por ser muito próximo de um rochedo (suas paredes são a superfície das rochas muitas vezes), o castelo é muito maior do que aparenta quando se vê de fora. Foi uma surpresa ver que haviam muitas coisas para se descobrir! Há uma parte do castelo que realmente invade as pedras, por onde há um tipo de passagem pra outro ponto da cidade – esse percurso não pode ser feito pelos visitantes pois dizem que, em algumas partes, é necessário escalar.

Também há uma vista ótima das colinas adiante, então qualquer sinal de invasão poderia ser detectada rapidamente sem os invasores perceberem que estavam sendo observados.

 Dentro da rocha, onde eles tinham uma visão privilegiada para o vilarejo

DICA: Em Julho acontece um festival medieval no castelo, com pessoas vestidas a caráter e jogos lembrando épocas passadas, o que deve ser uma experiência única, para realmente viajar no tempo.

Alguém já teve a oportunidade de participar? Conta pra gente nos comentários!