Quais alternativas existem à imigração? Quais são os vistos temporários? Nesse post você saberá um pouco mais sobre vistos: visto de estudante, turista, au pair… no fim, você escolhe a opção que cabe na sua vida.

Esse post é para você que sempre teve vontade de morar um tempo fora e ainda não foi. Seja por prioridades, dinheiro, carreira, família, medo. Afinal, ninguém precisa se mudar para um novo país de forma definitiva. Aliás, esse é um compromisso difícil de se fazer com qualquer coisa, imagina com uma cidade desconhecida! Porque mesmo que você já tenha visitado a cidade, tudo se transforma quando você chama um lugar novo de lar.

Procurando acomodação para a sua próxima viagem? Confira os melhores preços aqui.

Então vamos lá. 

Visto de turista

visto temporario: alternativas a imigração

Se você já viajou para fora da América do Sul, já se deparou com a pergunta “preciso de visto de turista para essa viagem?”. A verdade é que diversos países dispensam a necessidade do visto, por até 90 dias.

Principais países com dispensa de visto: África do Sul, Haiti, Hong Kong, Macau, Marrocos, Rússia. O Reino Unido dispensa visto por até 180 dias. Países do acordo de Schengen e da América do Sul não necessitam de visto para a entrada.

Principais países onde o brasileiro necessita de visto para entrar: Austrália, Canadá, China, Egito, Estados Unidos, Vietnã, entre outros.

Você encontra a lista completa dos países aqui.

O visto de turista é muito útil para programas de até 90 dias, como por exemplos Worldpackers ou WorkawayAs duas plataformas oferecem oportunidades de trabalho voluntário, onde a acomodação é oferecida por quem hospeda. A alimentação por vezes também está incluída, pelo menos o café da manhã. O programa só oferece vagas para quem pode ficar legal no país independente. 

Visto de Au Pair

visto temporario: alternativas a imigração

O programa vem ganhando cada vez mais visibilidade por ser uma alternativa de baixo custo para quem quer morar fora. Você arca com os custos da passagem e do pedido do visto. Lá, você recebe um salário tabelado e mora com a família, ou seja, sem gastos com hospedagem. Há famílias que também pagam o seu curso de idiomas.

Mas afinal, o que significa ser Au Pair? Abaixo você encontra o breve relato da Analu, que foi au pair em Leipzig, na Alemanha, e atualmente morar por lá:

O programa de au pair é uma grande porta que se abre para a chance de sentir na pele tantas coisas que ficam pairando sob o nosso imaginário (como, por exemplo, dominar outro idioma, morar fora do Brasil, e conceitos que englobam filhos e família).
E depois compreender que 98% do que estava no seu imaginário era uma ilusão.
O au pair é um amadurecimento e tanto. Vale a pena.

Existem sites especializados somente nesse tipo de intercâmbio, colocando famílias e Au Pairs em contato. E como nunca usei, não posso recomendar. Porém, já ouvi muitos relatos legais e muitos relatos bizarros. Por isso, é muito válido pesquisar bem antes de decidir, e se algo parecer estranho, pedir para trocar de família rapidamente.

O visto de Au Pair é específico para a prática e a maioria tem limite de idade, que geralmente é 30 anos (varia de país para país).

Pontos altos: baixo custo, salário, novo idioma, imersão.

Pontos baixos: salário baixo, difícil estabelecer limites entre trabalho/lazer, difícil escolher bem a família, precisa gostar de crianças

visto temporario: alternativas a imigração

Fonte: aupair.com

Visto de estágio

O visto de estágio está atrelado, como o nome diz, a um estágio. Normalmente tem que ser remunerado e você precisa de uma carta de aceite original da empresa onde vai estagiar. As leis variam conforme o país, mas geralmente você precisa mostrar vínculo estudantil com a sua universidade – para evitar que trabalhadores sejam explorados e empregados de maneira equivocada.

A maioria dos países dá um visto inicial de 30 a 120 dias que precisará ser extendido quando você chegar no país de destino. Geralmente, você pode pedir extensão do visto por até dois anos. 

O visto de estágio é uma ótima alternativa para quem está saindo da universidade e quer morar um tempo fora. Além de agregar uma experiência internacional no currículo, dá a oportunidade de viver de um modo estável em outro país.

O salário varia de 800 a 1400 euros, dependendo do país. Para a emissão do visto, é necessário comprovar que a empresa lhe pagará um salário compatível com o custo de vida do país. 

Foi com esse visto que eu fui para a Alemanha em 2016. Encontrei a oportunidade pelo programa Talentos Globais da AIESEC. Conto aqui como foi para tirar o visto de estágio. E aqui sobre como consegui a oportunidade.

Pontos altos: salário, novo idioma, capacitação profissional.

Pontos baixos: encontrar o estágio pode ser difícil e demorado.

Visto de estudante de idiomas

Para países onde o visto de turista não é necessário, o visto de estudante só é emitido caso o curso de idiomas dure mais que 90 dias. Agora, caso você queira ficar mais que três meses, é necessário uma carga horária igual ou superior a 20h semanais, no período diurno. 

Esse visto não dá a permissão para trabalhar. Nesse post aqui você encontra diversas opções de bolsas para estudantes brasileiros em todo o mundo.

Se você está pensando em estudar alemão, clique aqui para encontrar um post sobre escolas de alemão em Munique.

Pontos altos: novo idioma, imersão

Pontos baixos: custo alto, sem salário

Visto de estudante

Uma das maneiras mais comuns de ir morar fora é estudando. Além de capacitar profissionalmente, abre muitas portas caso o objetivo seja imigrar de vez depois que o curso acabar. Pode ser uma opção sem muitos custos ou caríssima, tudo depende do país e curso da sua escolha.

Nos EUA e Canadá, o ensino superior de qualidade é caro – e torna-se caríssimo pela desvalorização do real. Já alguns países da Europa oferecem cursos mais fáceis de pagar.

Na Alemanha e na Holanda, o estudante paga uma taxa semestral que varia de 150 a 400 euros, e inclui transporte público. Já nos países nórdicos, geralmente o ensino é de graça (ou muito reduzido, como na Alemanha) para europeus; não europeus pagam uma fortuna.

Portugal facilitou a entrada de brasileiros na sua educação por meio do ENEM. Universidades renomadas, como a Universidade de Coimbra, fazem parte do acordo. Veja mais informações aqui, e como calcular a nota necessária na prova aqui.

Mesmo em países onde o ensino é de graça, é necessário certo capital para arcar com os custos de vida. Uma solução para isso são as bolsas acadêmicas, scholarships. Alguns países têm bolsas de estudos focadas unicamente em estudantes brasileiros, ou latinos. Para mais informações, leia esse post aqui.

A depender do curso, os mestrados em universidades públicas duram dois anos. O primeiro ano é focado em sala de aula e o segundo se divide em estágio e produção da tese final. Contudo, nas escolas particulares há mestrados aplicados de apenas um ano.

Alguns países permitem que os estudantes trabalhem até 20h semanais. Para bolsas de estudos para alunos brasileiros, clique aqui.

Pontos altos: capacitação acadêmica, imersão, possibilidade de um novo idioma

Pontos baixos: custo moderado, sem salário

Visto de procura de emprego

visto temporario: alternativas a imigração

Aqui está um visto que poucas pessoas sabem que existe. E eu só conheço um país que o oferece: a Alemanha. Assim, o país te dá o direito de ficar em terras alemãs somente para procurar um emprego.

Para entrar com o processo da retirada do visto é necessário apresentar diversos documentos. Os principais são os bancários, para provar que você possui meios de se sustentar até conseguir um emprego. O visto é de no máximo 6 meses. Uma vez que você consegue uma proposta, tirar o visto de trabalho é fácil pois o governo já tem todos os seus documentos no sistema.

Pontos altos: procura de emprego legal, entrevistas pessoalmente

Pontos baixos: custo moderado, tempo limitado